andré barata

“O jogo da filosofia é sempre um jogo insensato. Supor, porém, que não fosse absolutamente sério seria um ultraje. Se não fosse subversivo, irritante e insuportável, Sócrates teria sido simplesmente ridículo”.

Últimas entradas

Lisboa: a paz, o pão, o turismo e a habitação

  Falando direto: o debate autárquico na capital sobre o problema da habitação tem sido um jogo da cabra cega em que ninguém toca na vaca sagrada. O turismo é uma boa experiência humana e a sua democratizaç…



A oportunidade para mais melhores universidades

  Tardando políticas ativas e estáveis que discriminem positivamente o Interior face ao Litoral, torna-se incompreensível a promoção de políticas penalizadoras, que agravam alguns dos piores desequilíbrios des…



O professor Ventura ou a desventura dos professores

  Num quadro de pós-verdade, os professores estão condenados a fazer outra coisa: a sala de aula tornar-se-á uma tribuna para credos. E os conceitos prestarão vassalagem aos preconceitos. Compreende-se e até …


FCT: cancelem o cancelamento!

  A questão da dedicação exclusiva dos bolseiros é uma falsa questão. Em parte nenhuma a pertença a um centro de investigação constitui uma violação da exclusividade. O Sindicato Nacional do Ensino Super…