andré barata

“O jogo da filosofia é sempre um jogo insensato. Supor, porém, que não fosse absolutamente sério seria um ultraje. Se não fosse subversivo, irritante e insuportável, Sócrates teria sido simplesmente ridículo”.

Últimas entradas

O professor Ventura ou a desventura dos professores

  Num quadro de pós-verdade, os professores estão condenados a fazer outra coisa: a sala de aula tornar-se-á uma tribuna para credos. E os conceitos prestarão vassalagem aos preconceitos. Compreende-se e até …


FCT: cancelem o cancelamento!

  A questão da dedicação exclusiva dos bolseiros é uma falsa questão. Em parte nenhuma a pertença a um centro de investigação constitui uma violação da exclusividade. O Sindicato Nacional do Ensino Super…


Os nossos filhos do futuro

A par da internalização fisiológica de tecnologias, a externalização tecnológica de processos fisiológicos humanos são tendências que mudarão a maneira como existimos, como nunca no passado.   Em 2016, …


Pós-verdade e Pós-democracia

O que se verifica hoje é a condescendência com a mentira e, na medida inversa, a verdade em perda do seu valor facial. Aqui se joga, de forma preocupante, o valor da própria democracia. Falamos de pós-verdade, m…


Eutanásia: 10 equívocos

  O direito à eutanásia voluntária e ao suicídio assistido em condições de incurável sofrimento é o direito exclusivo de quem vive, não é o direito dos outros, seja da sociedade, seja dos familiares.   …


Direitos de Bartleby

  Hoje em dia, não estar numa rede social é cada vez mais um privilégio de quem se pode dar a esse luxo, ou um ato de resistência, ou os dois em simultâneo. Há uns anos, a crescente videovigilância nos espa…