andré barata

“O jogo da filosofia é sempre um jogo insensato. Supor, porém, que não fosse absolutamente sério seria um ultraje. Se não fosse subversivo, irritante e insuportável, Sócrates teria sido simplesmente ridículo”.

Últimas entradas

‘Maafa’: o grande desastre

  A desmemorização é um processo muito mais subtil do que o revisionismo histórico. Não adultera os factos, mas o quadro em que os interpretamos. A cultura portuguesa ostenta, ainda hoje, escassíssima consci…


Resposta a "Uma péssima ideia", de João Rodrigues

Antes de mais, gratos pelos comentários do João Rodrigues ao nosso artigo de ontem, que permitem uma discussão em bases melhores, potenciando-se um debate aberto e cordato. Respondemos a cada um dos seus 6 comentár…


A questão não é 'RBI?', mas 'Que RBI?’

  Urge pôr o debate sobre o Rendimento Básico Incondicional em melhores bases. Antes de mais, admitindo a sua inevitabilidade.   Há duas atitudes pouco úteis no debate sobre a implementação do Rendimento B…


A saída portuguesa

  O que António Costa fez foi algo especialmente importante para os dias que correm. Foi uma lição sobre como dispensar o populismo. Ao exigir a demissão de Jeroen Dijsselbloem, e da forma perceptível com que…


A universidade e a liberdade de expressão

  Condicionar a liberdade de expressão numa universidade é pôr em causa a sua plena assunção como lugar por excelência da criação de saber e descoberta de verdade.   1/  A expressão de opinião ou é in…


O género da política

  Lutar pela igualdade de género não deve ser apenas lutar por uma igualdade maior entre homens e mulheres, mas também por libertar ambos dos seus papéis.   Celebrou-se ontem o dia em que se assinala a luta …