andré barata

“O jogo da filosofia é sempre um jogo insensato. Supor, porém, que não fosse absolutamente sério seria um ultraje. Se não fosse subversivo, irritante e insuportável, Sócrates teria sido simplesmente ridículo”.

Últimas entradas

Irónico mundo novo

  Uma política de rendimento universal não será emancipatória, não servirá a participação e inclusão social dos cidadãos se, com ela, não se revolucionar o nosso entendimento do trabalho e da propriedade. …


Que cosmopolitismo? Que europeísmo?

  A maior fraqueza da política europeia está em ter deixado de ser há muito, quanto aos fins que persegue, verdadeiramente oposta aos nacionalismos.   Tem-se dito que o cosmopolitismo é a resposta certa ao cr…


Para uma crítica das redes sociais

  Quanto mais imersos num tempo de consumo em aceleração menos o dominamos e mais por ele somos dominados.   Uma pergunta genuína: por que tratamos as redes sociais como se fossem espaço público se, na real…


Que universidade: pares ou castas?

  É necessário pensar, com coragem política, uma reforma da carreira universitária – e do ensino superior em geral – que atenue a enorme desigualdade piramidal existente.   Desde a austeridade, ou mesmo …


A ascensão do politicamente incorrecto

  É preciso assumir, de uma vez por todas, que as redes sociais são espaço público e que as suas regras não podem ser desenhadas e impostas por nenhum Zuckerberg.   A linguagem é um instrumento político po…


Sujeito Interior

  Num tempo de precariedade e mobilidade que causam mal-estar social, o Interior pode proporcionar maiores oportunidades às pessoas de se enraizarem e de terem um lugar.   Na semana passada, o ministro-adjunto …