andré barata

“O jogo da filosofia é sempre um jogo insensato. Supor, porém, que não fosse absolutamente sério seria um ultraje. Se não fosse subversivo, irritante e insuportável, Sócrates teria sido simplesmente ridículo”.

Últimas entradas

A ascensão do politicamente incorrecto

  É preciso assumir, de uma vez por todas, que as redes sociais são espaço público e que as suas regras não podem ser desenhadas e impostas por nenhum Zuckerberg.   A linguagem é um instrumento político po…


Sujeito Interior

  Num tempo de precariedade e mobilidade que causam mal-estar social, o Interior pode proporcionar maiores oportunidades às pessoas de se enraizarem e de terem um lugar.   Na semana passada, o ministro-adjunto …


Cuba futuro

  Repudiar o embargo não significa condescender com o regime cubano, ou relativizar a crítica que este precisa de ouvir e encaixar: não há democracia sem contraditório “religiosamente” livre.   Fidel n…


O trumpismo

  O sistema adapta-se, porque o regresso ao protecionismo e à política de fronteiras começa a servir melhor os interesses do capital do que a globalização neoliberal.   A ascensão de Donald Trump signi…


As três antinomias da democracia

  Podemos dizer que a vida não é um jogo de monopólio; mas não é essa a lógica que regula, por exemplo, o jugo da dívida e dos seus juros?   Podíamos chamar-lhe “paradoxo”, mas em filosofia chamamos …


A traição ao desenvolvimento

  Não podemos cair na armadilha de considerar que quem ainda beneficia das conquistas sociais não deve mais delas beneficiar.   A propósito de algumas plataformas digitais associadas à prestação de certo t…