andré barata

“O jogo da filosofia é sempre um jogo insensato. Supor, porém, que não fosse absolutamente sério seria um ultraje. Se não fosse subversivo, irritante e insuportável, Sócrates teria sido simplesmente ridículo”.

  Quanto mais imersos num tempo de consumo em aceleração menos o dominamos e mais por ele somos dominados.   Uma pergunta genuína: por que tratamos as redes sociais como se fossem espaço público se, na realidade, são serviços privados como um desenho que, em última instância, é de…

Veja mais...

  É necessário pensar, com coragem política, uma reforma da carreira universitária – e do ensino superior em geral – que atenue a enorme desigualdade piramidal existente.   Desde a austeridade, ou mesmo antes, que é clara uma tendência de precarização dentro das universidades p…

Veja mais...

  É preciso assumir, de uma vez por todas, que as redes sociais são espaço público e que as suas regras não podem ser desenhadas e impostas por nenhum Zuckerberg.   A linguagem é um instrumento político poderoso sobretudo pelo que pretende não ter de político. Cada fixação que faz…

Veja mais...

  Num tempo de precariedade e mobilidade que causam mal-estar social, o Interior pode proporcionar maiores oportunidades às pessoas de se enraizarem e de terem um lugar.   Na semana passada, o ministro-adjunto Eduardo Cabrita, acompanhado pelo ministro do Ambiente João Pedro Matos Fernand…

Veja mais...

  Repudiar o embargo não significa condescender com o regime cubano, ou relativizar a crítica que este precisa de ouvir e encaixar: não há democracia sem contraditório “religiosamente” livre.   Fidel não foi um ditador daqueles que derruba democracias. Pelo contrário, Fidel derru…

Veja mais...

  O sistema adapta-se, porque o regresso ao protecionismo e à política de fronteiras começa a servir melhor os interesses do capital do que a globalização neoliberal.   A ascensão de Donald Trump significa uma rejeição da globalização, mas uma rejeição de origem capitalista …

Veja mais...

  Podemos dizer que a vida não é um jogo de monopólio; mas não é essa a lógica que regula, por exemplo, o jugo da dívida e dos seus juros?   Podíamos chamar-lhe “paradoxo”, mas em filosofia chamamos “antinomia” a dois princípios que, sendo cada um por si mesmo coerente, sã…

Veja mais...

  Não podemos cair na armadilha de considerar que quem ainda beneficia das conquistas sociais não deve mais delas beneficiar.   A propósito de algumas plataformas digitais associadas à prestação de certo tipo de serviços, tem-se falado muito da transição para um modo de organizaç…

Veja mais...

  Onde as políticas igualitárias procuram alargar horizontes de possibilidades, o igualismo tenta eliminar as diferenças na sociedade.   Por vezes é com palavras quase iguais que conseguimos exprimir as maiores oposições. Estou a pensar nas palavras “igualitarismo” e “igualismo…

Veja mais...

  Não é preciso ser mais do que social-democrata para reconhecer que Governo e parceiros estão certos ao escolherem políticas que contrariam a tendência para a desigualdade estrutural. Entre 2009 e 2014, a média dos rendimentos dos portugueses baixou e baixou sobretudo entre os menos fa…

Veja mais...